Morna : Cabo Verde Formaliza Candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade

O fado e o cante alentejano, o tango, o flamenco, o mariachi, o samba de roda, o radif, a arte das gaitas irlandesas e das timbilas moçambicanas, o gagaku japonês, as polifonias da Sardenha ou – mais recentemente – a rebetika grega já foram considerados Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO. E agora é a vez da morna cabo-verdiana (Nota: na foto em cima está Cesária Évora e no vídeo em baixo está Bana, dois dos nomes maiores deste género musical) se candidatar, segundo avança esta notícia datada de hoje da agência Lusa:

O ministro da Cultura de Cabo Verde entregou, na UNESCO, em Paris, a candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade e disse que o género musical tem “todas as hipóteses” de ser classificado.

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, destacou que os responsáveis da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, em inglês) “ficaram surpreendidos pelo facto de Cabo Verde ter trazido todos os itens sem nenhuma falha”. Agora, segue-se uma fase de avaliação da candidatura e, caso exista necessidade, “há até setembro para melhorar o dossiê”, que deverá ter uma decisão final em dezembro de 2019.

“Temos todas as hipóteses, tal como o fado, o cante alentejano ou o chocalho ou os outros patrimónios imateriais espalhados pelo mundo. [A morna] espelha a vontade de toda uma nação, está difundida não só pelas ilhas como pela diáspora, todos os instrumentos que a suportam ainda estão vivos e são praticados, contém nela a memória coletiva do povo cabo-verdiano”, descreveu o ministro à Lusa, em Paris.

Abraão Vicente acrescentou que se apresentou um “dossiê tecnicamente irrepreensível”, destacou o apoio da cooperação portuguesa e afirmou que a entrega da candidatura constituiu um “momento muito simbólico” porque, “mais do que um projeto deste ministério, deste governo, é um projeto de toda a nação cabo-verdiana”, razão pela qual decidiu vir ele próprio apresentar a candidatura.

“Para o povo cabo-verdiano é um momento muito simbólico dado que a nossa intenção é escrever na alma da humanidade aquilo que é a nossa alma, que é a morna, e, ao mesmo tempo, a assunção de Cabo Verde como uma espécie de sexto continente, o espaço onde os mestiços e os crioulos se sentem bem e é através da morna que nós nos realizamos”, afirmou.

O governante adiantou acreditar que “não será necessário nenhum investimento extra” na estratégia de promoção da candidatura que vai passar por “um conjunto de atividades em Cabo Verde e na diáspora para manter viva a morna” e que se vai tentar que “o senhor Presidente da República e o senhor primeiro-ministro passem pela UNESCO para ressaltar a importância do dossier”.

Abraão Vicente recordou que “a consagração mundial de Cesária Évora começa por França”, onde ela é “muito mais conhecida do que em que qualquer outro território do mundo, inclusive Cabo Verde” e afirmou que esse “é um triunfo” que pode “jogar a favor”, ainda que “o interesse da UNESCO não é ter estrelas a cantar um género” que se pretende classificar património da Humanidade, mas “mostrar que esse género tem enraizamento no território e na diáspora”.

Reiterando que há “100% de hipóteses de sucesso”, o ministro relembrou que o trabalho técnico e todo o processo de submissão de candidatura “já custou cerca de 160 mil euros” e que há toda a vontade e disponibilidade “para melhorar o que há a ser melhorado”.

“Mas eu creio que vindo de onde vem, de um país pequeno, com parcos recursos, com o investimento que nós fizemos, nós não só merecemos mas eu creio que a morna já é património da humanidade por direito, é uma questão de reconhecimento”, considerou.

Abraão Vicente resumiu a morna como “a alma do cabo-verdiano, a sua nostalgia, o seu percurso” ,que define “um povo aberto ao mundo e a primeira civilização fundada após essa largada do velho mundo”.

“Somos o primeiro novo mundo”, concluiu.

O Ministério da Cultura trabalhou no dossiê durante vários anos, através do Instituto do Património Cultural (IPC).

Cabo Verde contou com o apoio de Portugal neste processo, tendo Paulo Lima, especialista na elaboração de processos de candidatura a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, estado no país para uma missão de assessoria técnica de apoio à instrução da candidatura.

Paulo Lima, também investigador da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esteve envolvido nas candidaturas portuguesas ganhadoras do fado, cante alentejano e arte do chocalho.

No dia 27 de fevereiro, o parlamento cabo-verdiano aprovou, por unanimidade, a data de 03 de dezembro como Dia Nacional da Morna, dia em que nasceu Francisco Xavier da Cruz, mais conhecido por B. Léza (1905 – 1958), considerado um dos maiores compositores do país do género musical.

O Dia Nacional da Morna visa homenagear todos os outros compositores, músicos e intérpretes, exaltar e reconhecer a sua importância e chamar atenção da sociedade cabo-verdiana para a necessidade de valorização do género musical.