Sofia Vitória : Os Ecos de Fernando Pessoa em Formato Canção

Sofia Vitória tem novo disco: “Echoes”. Nele, as palavras inglesas de Pessoa ganham vida pela mão de compositores como Amélia Muge, António Zambujo, Daniel Bernardes ou Edu Mundo. O disco, uma co-produção com a Casa Fernando Pessoa, foi apresentado pela primeira vez no dia 13 de Junho, data de nascimento do poeta, e conta com a participação dos músicos José Peixoto (guitarra clássica), Luís Figueiredo (teclados e arranjos), Eduardo Raon (harpa e guitarra eléctrica), António Quintino (contrabaixo) e Joel Silva (bateria). Em entrevista ao Infocul – que O Fado & Outras Músicas do Mundo aqui partilha -, Sofia Vitória fala sobre toda a concepção do disco e também sobre as mensagens que este trabalho contém.

Este disco é uma homenagem à poesia em inglês de Pessoa?

Precisamente: poesia e prosa. Desde 2011 sou convidada de um recital de poesia luso-brasileiro que apresenta a poesia de Vinicius de Moraes e de Fernando Pessoa. Numa pesquisa em torno deste recital cheguei à informação de que as últimas palavras que Pessoa deixou escritas um dia antes de morrer foram em inglês: “I know not what tomorrow will bring”. Este foi o ponto de partida para este álbum. Procurei compreender que mensagem era esta que Pessoa nos deixava e o que é que ela encerrava de mais profundo. Soube depois – em contacto com a Casa Fernando Pessoa (que é co-produtora deste disco) – que ainda não existia um álbum conceptual inteira e exclusivamente dedicado à poesia e prosa escritas originalmente em inglês por Fernando Pessoa, pelo que senti que era minha missão procurar fazê-lo da melhor forma possível.

Neste disco conta com muitas participações. Quem são os compositores deste disco para a poesia de Pessoa?

Este disco é o resultado de muitos encontros e cada um desses encontros foi bastante significativo e especial. Contei com os músicos José Peixoto (guitarra clássica), Luís Figueiredo (produção, arranjos e teclados), Eduardo Raon (harpa e guitarra eléctrica), António Quintino (contrabaixo), Joel Silva (bateria) e ainda Donovan Bettencourt (spoken word). Quanto às composições, convidei Amélia Muge, António Zambujo, Daniel Bernardes, Edu Mundo, Joana Espadinha, João Hasselberg, João Paulo Esteves da Silva, José Mário Branco, José Peixoto, Luís Figueiredo, Mário Laginha e Paula Sousa. Estou muitíssimo feliz com o resultado final. São, todos eles, músicos e compositores inspirados e em quem me inspiro; e é sempre uma enorme felicidade poder trabalhar em total liberdade: ter a oportunidade de se fazer o que se quer com quem se quer é, cada vez mais, um enorme privilégio.

Qual tem sido o feedback do público relativamente ao disco?

As reacções que me têm chegado são muito positivas. Ainda recentemente recebi estas palavras: “I’ve just listened to the new album, and I’m absolutely blown away! To adapt poetry as lyrics is such a difficult feat, and you and your ensemble did a remarkable job with the melodic lines and arrangements. It almost feels as if that prose and poetry was especially made for you to set it to music.” Certamente que haverão muitas pessoas que não se identificarão com o trabalho que desenvolvemos, mas saber que o disco encontrou um lugar no coração de, pelo menos uma pessoa, é o suficiente para mim. Basta isso para sentir que já cumpri o que era suposto cumprir.

Em termos de mensagem, qual a principal que este disco transmite?

Há várias mensagens e, ao mesmo tempo, há uma só mensagem. “Echoes” significa som. Em tudo existe um som, uma vibração, uma palavra, um significado. O próprio silêncio está impregnado de significado(s) ou de um discurso-essência. Fernando Pessoa conseguiu tocar essa possibilidade e veio-nos dizer isso mesmo: que tudo, sendo múltiplo, é – na verdade – a mesma coisa.

Terá em Dezembro um espectáculo em Setúbal onde apresentará o disco. O que pode desvendar sobre esse concerto?

Após uma pré-apresentação do disco, que teve lugar na Casa Fernando Pessoa, celebrando o 128º aniversário de Pessoa – esta será a primeira apresentação ao vivo deste trabalho. A acompanhar-me estarão Miguel Veras (guitarra clássica), Mário Delgado (guitarra eléctrica), Ana Isabel Dias (harpa), Daniel Bernardes (teclados), António Quintino (contrabaixo), e Joel Silva (bateria).

Para quem queira interagir consigo e saber mais sobre o seu trabalho onde a podem encontrar?

Em www.sofiavitoria.com/live.

Texto: Rui Lavrador

Foto: António Gamito

(Uma partilha O Fado & Outras Músicas do Mundo/Infocul)