Ela Vaz : O Álbum de Estreia É Editado Hoje, Dia 29 de Setembro

Após dar rosto e voz a diversos trabalhos musicais na área do fado e da música popular, Ela Vaz aventura-se agora pelo seu próprio caminho. “Eu” é como se chama o primeiro disco d’Ela em nome próprio.

Nos últimos dez anos, Ela destacou-se por participações em discos como «Cancionário», de Ricardo Parreira, ou «Aurora», do Stockholm Lisboa Project, projecto pioneiro de fusão entre fado, música tradicional portuguesa e música nórdica, de que fez parte entre 2011 e 2013.

Participou em trabalhos de artistas como Rui Oliveira, Ricardo Parreira, Helder Moutinho, Joaquim Teles (Quiné), Ricardo Fino ou Fatum Ensemble, em projectos como «Encontro Ibérico” (fado, flamenco e música tradicional portuguesa), «Fados a Preto e Branco» ou «DaCorDaMadeira». Foi uma das vozes convidadas para o elenco de «Fados e Canções do Alvim», juntamente com Ana Moura, Fafá de Belém, Carlos do Carmo ou Rui Veloso, entre outros.

Mais do que em Portugal, Ela Vaz já actuou em numerosos palcos de Espanha, Alemanha, Bélgica, Suécia, Noruega, Suíça, EUA, Coreia do Sul e México. Para “Eu”, Ela Vaz convidou um grupo de músicos e autores com créditos firmados: Filipe Raposo, Amélia Muge, Uxía, Miguel Calhaz, Viriato Teles, Ricardo Fino, Rão Kyao, Nuno Camarneiro e Rui Oliveira, além de Joaquim Teles (Quiné), que também assina a produção e a maioria dos arranjos. Além dos temas originais, “Eu” inclui ainda canções de José Afonso, José Mário Branco, João Afonso e Pablo Neruda/Victor Jara.

“Eu” é, assim, uma afirmação pessoal que aponta para o futuro sem voltar costas ao passado. Partindo da tradição musical portuguesa, Ela incorpora-lhe a urbanidade e cria uma linguagem musical própria, suficientemente vasta para incluir diferentes sons, palavras de épocas distintas, e individualizada o bastante para ser única.

Texto de Viriato Teles:

Eu e Ela
Primeiro, a voz d’Ela. Serena e firme, clara e directa, afirmativa. Voz de menina que sabe de onde vem e de mulher que sabe por onde vai.

Depois, o canto d’Ela. Com palavras e música e sentimento, certezas feitas de perguntas, paisagens de céu e de mar. E gente.

Por fim, Ela e tudo o que d’Ela faz parte e aqui nos é revelado, nota a nota, em sons antigos e outros por inventar.
Nesta voz e neste canto junta Ela o riso e o temor, a querença e a inquietude, o passado e o futuro. Agora e aqui, como sempre, e para sempre.

Einstein, que era sábio e gostava de música, dizia que «o importante é não parar de questionar». E é isso que Ela faz, em busca dos segredos da vida, do amor e da morte, ora em sussurro, ora como um grito.

Alegrias, tristezas, sonhos, ilusões, vontade. De tudo isto se faz o canto d’Ela, como a vida d’Ela, em demanda de um caminho certo tantas vezes feito de mais do que saudade, como uma insónia ou um baile em segredo que se revela nas voltas do mar.

Eu, isto que agora se vos apresenta em formato de cd, é o que resulta desta entrega d’Ela. Um registo que vai para lá da (muita e boa) música que está nele e das palavras que lhe dão sentido, um disco que nos canta.

E um rumo, definido com os poetas e os músicos que Ela quis ter por perto nesta hora de voo quase inicial. Corpo, alma e voz, em busca de uma harmonia de ser. Porque sim. E porque é assim que vale a pena estar.

Ela é tudo isto, e o mais que ainda será. E agora silêncio, que Ela vai cantar.

Viriato Teles

Alinhamento:

1 – Nas voltas do mar – 3:05
2 – Amar é ser quem sou – 3:59
3 – Baile em segredo – 3:33
4 – Caminho certo – 3:36
5 – Soneto – 3:02
6 – Diz ou não diz – 2:35
7 – Canção do mar – 3:36
8 – Mais do que saudade – 4:13
9 – Ó sino da minha aldeia – 2:33
10 – Poema 15 – 3:25
11 – Insónia – 3:11
12 – Travessia do deserto – 3:36
13 – Soneto – bónus track – 0:53

Ficha Técnica:

Direcção artística e produção executiva: Ela Vaz

Produção musical: Quiné Teles

Arranjos: Quiné Teles excepto “Amar é ser quem sou” e “Diz ou não diz” (Filipe Raposo) e “Mais do que saudade” (Amélia Muge e Quiné Teles)

Gravado por Quiné Teles no Sótão da Velha excepto piano e acordeão gravados no estúdio Timbuktu por Miguel Barrosa

Edição, mistura: Quiné Teles

Masterização – João Veludo

Design gráfico: Vitor Enes

Fotografia Capa (Digipack e Booklet): Paulo Moreira (Naked fotografia)

Composição Imagem Capa (Digipack): Vitor Enes

Fotografia: Cat Rain