Alice Maria : Morreu a Criadora de “Castigo de Deus” e “Fado Regresso”

A fadista Alice Maria, que durante muitos anos fez parte do elenco da casa de fados “A Severa”, morreu na manhã de ontem, sexta-feira, aos 85 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, informou a Casa do Artista. O funeral decorre na tarde de hoje, sábado, no cemitério dos Olivais, em Lisboa

Alice Maria cantou durante vários anos nas casas de fado Tipóia e A Severa, em Lisboa, e participou em vários programas televisivos, tendo celebrizado fados como “Castigo de Deus” (Frederico de Brito) e “Fado Regresso” (Artur Lobato/Casimiro Ramos).

A sua discografia, gravada essencialmente nas décadas de 60, 70 e 80, inclui os álbuns “Saudades”, “Fado Postal”,  “Nascer Outra Vez” e “Alice Maria” e os singles e EPs “Alice Maria” (três apenas com este nome), “Rua Sem Lua”, “Coimbra / Seis Palavras / Trigueirinha / Ao Fim Da Jornada” (em parceria com Maria José da Guia), “Alice Maria Canta Com Orquestra”, “Castigo De Deus”, “Liberdade Nova Rota”, “”Primeiro Amor ” e “Alice Maria…  E A Melodia de Nóbrega e Sousa”.

Desse seu repertório, parte recuperado em CD, na colecção “Fados do Fado”, da Movieplay Portuguesa, coordenada por José Manuel Osório, fazem parte “Dois Cigarros”, “Varinas”, “Vem Como és Amor”, “Vieste Dizer-me Adeus”, “Fado Triste”, “Velhinho Parque Mayer”, “Fado Postal”, “Coragem Minha Alegria”, “Não Quero Rosas Vermelhos”, “Fado Errado”, “Não me Chames pelo Nome”, “Nem Passado nem Futuro”, “Nascer Outra Vez”, “Fado Piroleiro”, “Irmã Solidão”, “Alfama Cheiras a Fado”, “A Verdade É Só Uma”, “Porque Será” ou “Lisboeta”.

A fadista assinou também várias letras dos fados que interpretou.

(Texto baseado numa notícia da Agência Lusa, adaptado e aumentado pel’O Fado & Outras Músicas do Mundo)